21/12/19 14:28
Atualizado em 21/12/19 às 14:46

Nosso Natal: ceia especial com tempero de felicidade

Comunidades aproveitaram festividade antecipada nos restaurantes comunitários da parte norte do DF, com direito a brincadeira e prestação de serviço 

Wellington Júnior não resiste a uma farofa e sentiu um gosto especial na que foi servida pelo Nosso Natal | Foto: Tony Oliveira / Agência Brasília

“Natal tem gosto de felicidade”, diz, sem titubear, Wellington Júnior. Aos 8 anos, ele vê o clima de fim de ano como a oportunidade perfeita para todo mundo ficar feliz e diz que uma boa comida ajuda nesse sentimento. Amante de farofa, o menino aproveitou o acompanhamento da refeição feita pelas mãos de um renomado chef da capital ao custo de R$ 1. Ele e a família saíram cedo de casa para participar do Nosso Natal, evento que levou uma experiência natalina aos frequentadores dos 14 restaurantes comunitários do DF. Em Sobradinho e em Planaltina, a expectativa é que mais de sete mil refeições sejam servidas.

O pequeno Wellington aproveitou todo o evento em Sobradinho. Antes do almoço especial, comeu algodão-doce e pipoca e, curioso, aproximou-se de répteis levados pelo Jardim Zoológico com os irmãos Thiago e Vitória, de 9 e 4 anos. Os pais, Isabel e Wellington Marques, de 36 e 48 anos, aprovaram a iniciativa de transformar a experiência natalina de quem mais precisa. “Esse tipo de ação ajuda a promover um ambiente de harmonia, com menos violência, mais amor e paz”, disse a mãe, aposentada por deficiência física.

O menu foi preparado pelo chef Luis Brito. Ele começou a cozinhar aos 13 anos e aos dezesseis teve seu primeiro contrato assinado com um restaurante japonês. Atual chef executivo do restaurante Oliver, ele encarou o desafio de servir uma multidão carente. Foram três dias de preparação para produzir uma ceia diferenciada, incluindo pernil com cachaça e rapadura e frango com molho barbecue. Ele ainda levou a cortesia de uma sobremesa especial de queijo com goiabada.

“É emocionante poder proporcionar isso. Posso dizer que para quem já viveu assim, poder fazer pelos outros é gratificante”, disse o chef, que fez questão de ficar no salão enquanto as refeições eram servidas. O Chefe da Casa Civil, Valdetário Monteiro, o secretário de Mobilidade, Valter Casimiro, e o secretário adjunto de Turismo, Estevam Reis, arregaçaram as mangas e ajudaram a servir a comunidade.

“Esse projeto é uma das iniciativas mais louváveis. Poder saciar a fome com comida boa é magnífico”, disse Monteiro, equipado com avental e gorro feitos pelos alunos da Fábrica Social. “Foi excelente a oportunidade dada pelo governador Ibaneis Rocha de nós, secretários, participarmos desse momento especial”, celebrou Casimiro.

Planaltina

A dança na cozinha para preparação da ceia começou às 3h, com cuidado, atenção e carinho. A chef Maria Letícia Miranda, responsável pela elaboração dos cardápios do buffet Marietta, preparou um pernil especial com molho de vinho, farofa natalina e manjar de coco de sobremesa. Tudo alinhado à realidade da unidade, que se preocupa com o paladar exigente do público de maioria idosa, como explicou a nutricionista Deize Lopes.

Refeições são servidas no preço habitual de R$ 1 dos restaurantes comunitários | Foto: Tony Oliveira / Agência Brasília

“É um projeto muito bonito e estou muito feliz em fazer parte”, garantiu a chef Maria Letícia Miranda, que não conhecia a cidade. Ela destacou o trabalho de união com a equipe que faz diariamente as refeições à comunidade carente da região administrativa que tem quase 190 mil habitantes. “Muita gente, por causa de dificuldades, não comemora o Natal e hoje têm oportunidade de aproveitar um almoço em forma de ceia, com gosto natalino”, pontuou.

Para a cozinheira Lucineide Alves, 47 anos, a satisfação é colocar sorrisos no rosto das pessoas após as refeições. Ela, que trabalha há 14 anos na unidade, é uma das responsáveis pela cozinha de onde saem, em média 3,5 mil refeições diárias a R$ 1. “É a primeira vez que um governo se preocupa em trazer um grande evento de Natal para cá. Só de ver a pessoa comer com satisfação me deixa feliz”, comemorou.

Além da comida

Muito além da comida, o Nosso Natal na parte norte do DF levou informação, serviço e diversão. Crianças aproveitaram brinquedos infláveis e arriscaram andar com carrinhos de rolimã. Kits de higiene foram distribuídos e cabelos cortados graças a parceria de empresários locais.

Para José Rêgo, 51 anos, a iniciativa foi oportunidade de emprego. Desempregado, o homem que acumula cursos correu para ser o primeiro a comparecer a uma área da Secretaria do Trabalho, que levou uma Agência do Trabalhador para o restaurante comunitário de Sobradinho. “A comida é maravilhosa, especial mesmo! Mas, melhor que isso, foi poder me candidatar a alguma vaga”, revelou. De acordo com ele, o almoço vai preencher seu Natal, já que não conseguirá celebrar em casa em virtude da dificuldade financeira.

Galeria de Fotos

Nosso Natal leva ceia a restaurante comunitário de Sobradinho