6/2/20 10:59
Atualizado em 6/2/20 às 12:10

CEB investe R$ 94 milhões para melhorar fornecimento 

Obras serão concentradas nas chamadas “áreas críticas”, aquelas com baixo desempenho em indicadores como frequência de queda

O ano de 2020 será marcado por uma série de investimentos no sistema de distribuição de energia do Distrito Federal. Na quarta-feira (5), o diretor-geral da CEB, Edison Garcia, determinou à Diretoria de Distribuição que fosse realizado um minucioso estudo para detectar as principais localidades que passarão por melhorias nos próximos meses. 

“O levantamento vai abranger todos os locais no DF onde houve maior incidência de queda no fornecimento de energia. Após o zoneamento dessas áreas críticas, passamos a investigar quais eram as principais causas de interrupção”, explica Edison Garcia. 

Com base nesses dados, o diretor-geral vai em busca de mitigar os problemas gerados aos consumidores – além de preparar o DF para enfrentar o próximo período de chuvas com mais tranquilidade.

As chamadas “áreas críticas”, aquelas com baixo desempenho em indicadores como DEC e FEC, por exemplo, serão beneficiadas com diversas obras para melhor o fornecimento de energia elétrica. 

Foto: CEB/Divulgação

Com base nesses indicadores e nas ocorrências registradas no Sistema de Apoio à Operação (SAO) em 2019, foram detectadas as áreas que mais necessitam de melhorias. “Após a junção de todas essas informações, foram feitas inspeções e estudos para definir ações de manutenção e quais os investimentos necessários”, explica o diretor de Distribuição, Dalmo Rebellov

Uma das cidades que receberá parte desses investimentos é Ceilândia. Em novembro do ano passado, um raio atingiu um dos transformadores instalados na Subestação Ceilândia Norte, o que acabou causando sobrecarga na rede – já que a CEB precisou realizar manobras de compartilhamento de cargas com outras subestações que atendem a cidade.

A compra de um novo transformador para substituir o que foi danificado já foi autorizada. Mas, segundo o diretor-geral, essa não será a única melhoria prevista para a região. “Será feita ainda a troca de outros equipamentos que estão em final de vida útil e a instalação de módulos compactos, que darão uma maior flexibilidade operativa à subestação”, avisa.

Assim como o raio que afetou a Subestação, o período chuvoso é um dos motivos que impactam os resultados dos indicadores. “Na época de chuvas, as redes são acometidas por ventos, descargas atmosféricas e quedas de árvores. E isso acaba afetando os nossos índices de continuidade. É importante ressaltar que esse não é um problema exclusivamente do Distrito Federal. Isso afeta qualquer sistema de distribuição de energia do mundo”, explica Dalmo Rebelo.

Podas
A CEB tem realizado um duro trabalho de poda de árvores que ficam próximas às redes. Em 2019, o número chegou a 10 mil. Para 2020, a expectativa é que sejam gastos aproximadamente R$ 5 milhões em serviços de podas.

Sobrecargas
Em relação aos problemas na qualidade de tensão de fornecimento, a CEB investirá R$ 13 milhões para melhorar redes aéreas e subterrâneas. “Serão pequenas obras realizadas a pedido de clientes, como novas ligações e aumentos de carga, ou por iniciativa da CEB, quando forem detectadas necessidades de ajustes”, esclarece Dalmo.

As ligações irregulares, além de prejuízo financeiro , também traz uma demanda na rede que compromete o fornecimento dos consumidores regularesEdison Garcia, diretor-geral da CEB

Ampliações
Para se adequar ao crescimento das cidades, algumas subestações serão ampliadas: a Contagem, que atende parte de Sobradinho e condomínios da região, terá investimentos de R$ 3 milhões em obras, previstas para serem concluídas até o fim deste ano.

Manutenção
A CEB também aplicará R$ 21 milhões em manutenção de redes, aquisição de materiais e reforma de equipamentos, além de reparos em redes danificadas e reposição de cabos furtados –  o que também ajudará a melhorar a qualidade na distribuição e fornecimento de energia, segundo Garcia. “A melhoria será contínua, à medida que os investimentos e as ações de manutenção forem sendo concluídos”.

Regularização
Levantamento realizado no segundo semestre de 2019 aponta a existência de mais de 62 mil ligações clandestinas em todo o Distrito Federal. As barreiras legais, que impedem a atuação nessas áreas irregulares, representam uma perda estimada de R$ 80 milhões por ano.


Você sabe o que significa DEC e FEC? 

Estes são os principais Indicadores Coletivos de Continuidade que medem o desempenho das empresas de distribuição quanto à continuidade do serviço prestado. DEC significa Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora e indica o número de horas em média que um consumidor fica sem energia elétrica durante um período, geralmente anual. Já o FEC, Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora, indica quantas vezes, em média, houve interrupção na unidade consumidora.


* Com informações da CEB