15/2/20 16:08
Atualizado em 15/2/20 às 17:43

Mobilização contra dengue percorreu cinco cidades neste sábado (15)

Um total de 380 profissionais, entre bombeiros e agentes de vigilância, fizeram vistoria e entregaram panfletos educativos

“Vamos combater esse mosquito, porque ele é violento”. Foi com essa frase que o aposentado Francisco Alves da Silva recebeu a equipe de vigilância ambiental, na manhã deste sábado (15), durante mais uma força-tarefa da Sala Distrital de Combate à Dengue, no Riacho Fundo I. A casa dele foi uma das 8.500 residências previstas para serem visitadas na ação, que ainda passou por Fercal, Sobradinho II, Vila Planalto e Arapoanga. Ao todo, 250 bombeiros e 130 agentes participaram.

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde do DF, Divino Valero, o objetivo da mobilização é fazer o trabalho de educação em saúde e identificação de focos do mosquito. “Esse trabalho é essencial para a redução do número de casos nessas regiões, pois orienta a população sobre as doenças transmitidas pelo inseto e como prevenir o seu aparecimento”, afirmou.

Seu Francisco aprendeu direitinho. Na casa dele, nenhum foco foi encontrado e, para prevenir, o larvicida foi jogado em um ralo no poço de ventilação, por ser um local onde pode acumular água com mais facilidade. “Eu também cuido da calha. Estou velho, mas ainda consigo subir lá para limpar”, brincou o senhor.

INFORMAÇÃO

Além das visitas aos imóveis e comércio, a ação deste sábado contou com uma tenda com informações sobre a dengue. Foi montada uma mesa com pneus, jarros de flores e até uma lupa para que o visitante enxergasse os mosquitos em tamanho maior  e aprendesse mais sobre o assunto.

A tenda foi montada dentro de uma ação maior, proposta pelo Governo do Distrito Federal, com vários serviços ao cidadão. Inclusive, um dos postos de vacinação do Dia D contra o sarampo estava aberto no local.

“Durante essa manhã, a maioria do público tem sido de adolescentes, o que é um grande ganho para a saúde pública, pois além do sarampo, estamos aplicando a de meningite e de HPV, que é bem para essa faixa etária”, contou a técnica de enfermagem da UBS 1 do Riacho Fundo, Cristiany Rodrigues.

MEDIDAS

Outras duas mobilizações semelhantes já foram realizadas este ano. A primeira, em 25 de janeiro, quando foram percorridas as regiões administrativas do Guará, São Sebastião, Sobradinho, Fercal e Planaltina. Ao todo, mil imóveis foram inspecionados.

A outra ocorreu no início de fevereiro, quando 5.382 imóveis, localizados em Ceilândia, Sol Nascente, Pôr do Sol, Samambaia, Taguatinga e Brazlândia foram visitados. Foram encontrados 14.631 depósitos de água e em 31 deles havia focos do mosquito causador da dengue e outras arboviroses.

A Secretaria de Saúde preparou a instalação de estrutura de hidratação nas unidades básicas de saúde, com disponibilidade de insumos para as modalidades oral e venosa, para oferecer maior resolutividade e reduzir as remoções de pacientes aos hospitais. Com isso, pretende-se diminuir as complicações das doenças causadas pelo Aedes.

A Diretoria de Vigilância Ambiental também executa, rotineiramente, um trabalho constante de visita às residências e locais com prováveis focos do mosquito Aedes aegypti, realizando manejos ambientais, aplicação de fumacê e educação ambiental.

CASOS 

Segundo o Boletim Epidemiológico nº 4 de 2020, o Distrito Federal registrou 1.419 casos prováveis de dengue nas primeiras semanas de janeiro deste ano. Um caso evoluiu para óbito. Do total de casos, 91,33% são moradores do Distrito Federal. As crianças menores de um ano de idade e as pessoas com mais e 50 anos foram as mais atingidas pela doença.