2/4/20 13:03
Atualizado em 2/4/20 às 13:03

Biblioteca faz campanha nas redes sociais para estimular o hábito da leitura

Nova identidade visual e comunicação interativa são as estratégias da BNB para atrair o público na internet

 

 

 

A BNB investe em campanha para estimular as pessoas a lerem mais | Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

Compartilhar dicas de livros com conhecidos e desconhecidos como forma de estimular o hábito da leitura entre os brasileiros é a proposta do projeto “O que você está lendo?”, que a Biblioteca Nacional de Brasília (BNB) lança no sábado (4).

A estratégia é parte de uma série de ações promovidas pelos espaços culturais da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) com o objetivo de aproximar as pessoas das atividades culturais durante o isolamento social combater a pandemia do novo coronavírus.

A ideia surgiu a partir de estudos que indicam o consumo de arte como protagonista na manutenção da saúde mental neste período de quarentena. Nesse sentido, a internet desponta como um canal essencial para trazer arte, cultura e lazer para dentro de casa.

O projeto da BNB convida cidadãos do DF a contribuir com uma indicação de leitura, estimulando assim uma atividade que, segundo pesquisa dos próprios servidores, faz parte do hábito de poucos brasileiros. A dica de estreia ficará a cargo do secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues, que se define como um ávido leitor.

Maior interação

Desde 12 de março – Dia do Bibliotecário –, as redes sociais da BNB (Instagram e Facebook) ampliaram a interação com usuários e seguidores, com publicações diárias de conteúdos nos quais se incluem dados estatísticos e curiosidades sobre o perfil do leitor brasileiro que provocam a reflexão do internauta sobre seus hábitos de leitura. O objetivo é conscientizar o leitor, sobretudo o mais jovem, do poder de transformação que a leitura pode proporcionar.

A diretora da Biblioteca Nacional de Brasília, Sharlene Araújo, destaca que essas ações aumentam, no público, a sensação de pertencimento ao espaço da biblioteca. Ela aponta que as bibliotecas públicas vêm passando por mudanças substanciais nos últimos dez anos, principalmente por conta de novos formatos digitais de consumo de informação, como smartphones, livros eletrônicos e audiolivros.

“Para centros de informação que sempre se basearam em formato impresso de informação confiável e relevante como diferencial competitivo, é uma desafio diário se adaptar a essa nova realidade”, avalia.

“Mudar a abordagem no conteúdo”, ressalta a diretora, “nos coloca numa posição de instituição que pode informar o cidadão não somente com eventos que promovemos, mas também com informações importantes que permeiam nossas atividades de fomentadores da leitura, como forma de transformar  a vida as pessoas.”

* Com informações da Secec