11/5/20 16:03
Atualizado em 11/5/20 às 16:03

Servidores do Hmib são testados para coronavírus

Prioridade são profissionais assintomáticos que atuam na linha de frente

A testagem para detecção do coronavírus nos servidores do Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib) que atuam na linha de frente dos atendimentos começou nesta segunda-feira (11). São eles que mais se expõem aos riscos da Covid-19. A direção do hospital reservou 400 testes rápidos para serem realizados nos profissionais ao longo desta semana.

“Vamos priorizar os servidores assintomáticos das áreas de maior exposição, como prontos-socorros, laboratório para coleta de exames, de transporte de pacientes suspeitos, de classificação de risco e também os residentes que circulam nesses locais”, pontuou a diretora do Hmib, Marina Araújo.

Foto: Breno Esaki/Secretaria de Saúde-DF

Para evitar aglomerações, os profissionais têm a opção de se cadastrarem na plataforma FormSUS e agendar o dia e período da sua testagem. Somente na manhã de hoje, 44 servidores passaram pelos testes, com todos dando negativo. À tarde, mais 45 estão agendados.

“Dividimos a coleta durante a semana em oito turnos, de manhã e à tarde, para não gerar aglomeração. As pessoas se cadastram e agendam conforme as vagas do dia e do turno. Pelo FormSUS, temos acessos as planilhas para sabermos a quantidade de casos negativos e positivos e trabalharmos os indicadores com base nas testagens”, explicou a diretora.

Diferente dos testes rápidos realizados em outros locais, os exames no Hmib são feitos com a retirada de sangue por soro, ao invés da picada no dedo. Os gestores consideram o método mais fidedigno e com índice de assertividade maior. Assim que realizado, os exames são levados ao laboratório do hospital, que entrega os resultados até duas horas depois.

Os profissionais de saúde que trabalham no Hospital Materno Infantil de Brasília aprovaram a ação. Para a chefe da Unidade de Ginecologia e Obstetrícia, Andrea Araújo, a medida é importante para detectar casos da doença entre pessoas assintomáticas, que podem estar com a Covid-19 sem saber e serem portadores. “Essa ação traz segura para o serviço, para os outros servidores e para a população. É fundamental termos essas respostas”, comentou.

O ginecologista obstetra Carlos Rubian também segue o mesmo raciocínio. “Já que somos a linha de frente, é uma boa forma de vermos como está a saúde dos funcionários em relação a esse novo vírus, além de acompanhar a nossa real situação”, ressaltou.

Os profissionais sintomáticos são atendidos individualmente no ambulatório do Hmib, respeitando as medidas de segurança.

* Com informações da Secretaria de Saúde-DF