17/9/20 18:40
Atualizado em 18/9/20 às 14:28

Sol Nascente: 13 áreas degradadas renascerão

Investimento de R$ 1,5 milhão nos trechos 1,2 e 3 vai permitir a continuidade do processo de regularização fundiária e gerar dezenas de empregos

Áreas com erosões profundas serão recuperadas |Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

O GDF iniciou essa semana a recuperação de áreas degradadas em 13 pontos do Sol Nascente. Locais que sofrem com as erosões formando barrancos e valas enormes. Acúmulo de entulhos, lixo e a chegada das chuvas aumentam os problemas. A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) é a responsável pelo plano de recuperação, com a supervisão do Brasília Ambiental.

O investimento é de R$ 1,5 milhão e as restaurações serão feitas pela empresa Geo Lógica, vencedora de processo licitatório. Os trechos 1,2 e 3 da cidade passarão por cuidados e as obras vão permitir a continuidade do processo de regularização fundiária da região. Dezenas de empregos serão gerados para engenheiros, operadores de máquinas, encarregados.

A revitalização inclui o plantio de árvores, recomposição do relevo, retirada de entulhos. Além disso, será realizada uma rotina de monitoramento – reforço de segurança presencial – para evitar que os locais sejam novamente degradados. As chácaras 74 e 75 são as primeiras contempladas.

O presidente da Codhab, Wellington Luiz, o administrador regional, José Godinho Carneiro, engenheiros e técnicos da companhia vistoriaram o local nesta quinta-feira (17). “Vamos promover todas essas melhorias e oferecer qualidade de vida à população. É um grande passo para o processo de regularização. Aqui, temos muitos espaços destinados a equipamentos públicos, como uma creche ou mesmo uma praça, mas que foram invadidos ou tem esses problemas no solo”, explica Wellington.

Restos de construção civil e madeiras estão espalhados em buracos formados  pela erosão| Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

“Começaremos por duas áreas que exigem obras de engenharia civil. São erosões profundas de solo. Recuperar esses taludes e melhorar o escorrimento da água”, revela a engenheira da empresa que fará a recuperação da área, Amanda Alves.

Segundo ela, a próxima etapa envolve o plantio de gramíneas e árvores do cerrado e em seguida haverá um trabalho de conscientização ambiental com a comunidade. Para garantir a segurança da comunidade local, todo o terreno será cercado até o término dos serviços.

Todas as etapas da recuperação são norteadas pelo Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) para o Sol Nascente e tem previsão de conclusão em abril de 2021. Invasões e moradias irregulares nas áreas também são monitoradas e a Codhab promoverá a realocação de famílias que atendem os critérios habitacionais definidos pelo governo.

Poluição e risco

Na Chácara 75, restos de construção civil, garrafas de plástico e madeiras estão espalhados na grota formada pela erosão. O buraco também é um perigo para as crianças. Carroças despejam inservíveis diariamente. Com a chegada das chuvas, previstas para o final do mês, os resíduos podem aumentar no local.

Eliane dos Santos, moradora: “quando vem a chuva, vira uma cachoeira” | Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

“Olha, aqui juntou muita sujeira, lixo. É mosca pra todo lado. Quando vem a chuva, vira uma cachoeira descendo. Um perigo para as crianças aqui da comunidade”, afirma a dona de casa Eliane dos Santos, que mora com os três filhos na região. “Estou aqui há dois anos e acho que vai melhorar muito (com as obras)”, prevê.

Atenção especial

Com uma população estimada de 95 mil moradores, o Sol Nascente se tornou uma região administrativa por meio de decreto do governador Ibaneis Rocha, publicado no ano passado. De lá pra cá, cada vez mais, o GDF segue com olhar atento à região, com obras de infraestrutura e preservação do meio ambiente.

“Essa gestão criou a região administrativa, está presente e cuidando da população do Sol Nascente. A recuperação desses locais degradados é fundamental. Com a água forte da chuva descendo pelas ruas, esse trecho corria o risco de ser ‘engolido’. É uma perspectiva de vida pra quem mora aqui”, celebra o administrador, José Godim. A construção de novas galerias pluviais é outro projeto que está sendo preparado pela Administração, frisa ele.

O Secretario de Cidades, Valmir Lemos, também acompanhou a vistoria dos trabalhos de recuperação das áreas degradadas e ressaltou a importância do GDF Presente neste sentido. “Trata-se de uma cidade nova, com suas particularidades, e que carece de muitas melhorias. Estamos trabalhando, também preventivamente, para minimizar prejuízos para a comunidade”, destaca.

Galeria de Fotos

Sol Nascente: treze áreas degradadas renascerão