25/11/21 20:02
Atualizado em 25/11/21 às 20:02

Dezembro Vermelho lembra importância da prevenção ao HIV

Número de novas infecções pelo vírus e adoecimento por Aids caiu em 2020 comparando-se com quatro anos anteriores

A Aids é uma doença grave, que ainda não tem cura e se expande entre a população. Sem um tratamento adequado, a enfermidade, que precisa ser combatida, pode causar a morte. No Distrito Federal, a tendência nos últimos anos foi de redução do diagnóstico de novos casos de HIV e adoecimentos e óbitos por Aids.

“Aqui no DF temos diagnosticado precocemente as pessoas vivendo com HIV e essas pessoas estão se tratando e não estão desenvolvendo a forma mais grave da doença, que é a Aids”Beatriz Maciel Luz, gerente de Vigilância de Infecções Sexualmente Transmissíveis

A queda revela a procura pelo diagnóstico precoce e adesão ao tratamento. Os dados foram apresentados durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (25), dando início à campanha Dezembro Vermelho, voltada para reforçar o cuidado contra o HIV e a Aids.

“Aqui no DF temos diagnosticado precocemente as pessoas vivendo com HIV e essas pessoas estão se tratando e não estão desenvolvendo a forma mais grave da doença, que é a Aids”, revela a gerente de Vigilância de Infecções Sexualmente Transmissíveis, Beatriz Maciel Luz.

Apesar de não assustar como nos anos 1980 e 1990, quando não havia tratamentos com a eficácia dos atuais, os números não podem ser desprezados: em 2020, foram 690 novos casos registrados no DF, além de 96 óbitos.

Em 2021, até o momento, foram 581 contaminações confirmadas e 76 óbitos – número que ainda pode sofrer alteração. De 2016 a 2020, foram diagnosticados, em média, 701 casos por ano e, no mesmo período, 306 novos casos de Aids. Já os óbitos por Aids tiveram uma média anual de 105 ocorrências nesses cinco anos.

As estratégias de prevenção combinada do HIV incluem o uso regular de preservativos, diagnóstico oportuno, gerenciamento de vulnerabilidades e imunizações, entre outras | Foto: Bruno Esaki/Agência Saúde-DF

Em todo o Brasil, estima-se que existam 920 mil pessoas vivendo com o vírus da Aids. O problema é que cerca de 11%, ou mais de 100 mil pessoas, podem estar contaminadas com o vírus e não sabem. Em todo o país foram 41.909 novas infecções confirmadas em 2019, ano que registrou também 10.565 óbitos.

Prevenção

A Secretaria de Saúde do DF atua desde o fornecimento gratuito e livre de preservativos nas unidades de saúde até o tratamento dos pacientes. Entre as principais ações estão a possibilidade de realizar nos postos de saúde a testagem do vírus HIV e de outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como sífilis e hepatite.

581contaminações já foram confirmadas no DF este ano, que teve até agora 76 óbitos

Os prontos-socorros da rede hospitalar e as unidades de pronto atendimento (UPAs) também fornecem os medicamentos da profilaxia pós-exposição (PEP), para pessoas que tiveram exposição sexual consentida, por violência sexual ou exposição a materiais perfurocortantes contaminados.

Já a profilaxia pré-exposição (PrEP) é voltada para pessoas com risco aumentado de adquirir a infecção, como parceiros de pessoas contaminadas com HIV, trabalhadores (as) do sexo, indivíduos com episódios frequentes de infecções sexualmente transmissíveis, pessoas trans, gays, homens que fazem sexo com homens e quem costumeiramente tem relações sexuais sem proteção.

Desde o dia 1º de setembro, a PrEP passou a ser dispensada para pacientes com prescrição médica da rede privada. Na época, o Ministério da Saúde elegeu o DF como uma das unidades federativas piloto do Projeto PrEP na Saúde Suplementar.

A profilaxia pré-exposição ao HIV consiste no uso de antirretrovirais (ARV) para reduzir o risco de adquirir a infecção pelo HIV. Essa estratégia mostrou-se eficaz e segura em pessoas com risco aumentado de adquirir a infecção.

Para quem foi diagnosticado com a doença, a rede pública possui uma rede de serviços ambulatoriais especializados

A PrEP faz parte das estratégias de prevenção combinada do HIV. Dentro do conjunto de ferramentas da prevenção combinada, inserem-se também testagem para o HIV, profilaxia pós-exposição ao HIV (PEP), uso regular de preservativos, diagnóstico oportuno e tratamento adequado de infecções sexualmente transmissíveis (IST), redução de danos, gerenciamento de vulnerabilidades, supressão da replicação viral pelo tratamento antirretroviral e imunizações.

Tratamento

Para quem foi diagnosticado com a doença, a rede pública possui uma rede de serviços ambulatoriais especializados: Centro Especializado em Doenças Infecciosas (Cedin – antigo Hospital Dia, na 508 Sul); policlínicas de Taguatinga, Planaltina, Paranoá, Gama, Lago Sul e Ceilândia; ambulatórios do hospitais regionais de Ceilândia e de Sobradinho, no Universitário de Brasília e no de Base.

“Nós fornecemos fórmula infantil a todas as crianças filhos de mulheres com HIV. A criança nasce e já sai do hospital com a fórmula, porque a mãe não pode alimentá-la, por ser uma via de transmissão”, explica Beatriz Maciel.

O tratamento adequado, e no momento oportuno, tem possibilitado que 92% dos pacientes com HIV/Aids em tratamento no DF estejam atualmente com carga viral indetectável, reduzindo a chance de desenvolverem infecções oportunistas ou até mesmo de transmitirem para outra pessoa. Por isso, hoje em dia o tratamento também é sinônimo de prevenção.

Mais informações podem ser acessadas aqui.

*Com informações da Secretaria de Saúde