Fale com o Governo Ações em Destaques

4/10/22 às 12:15, Atualizado em 4/10/22 às 19:30

Seca e calor têm escalada no DF. Proteja-se!

Especialistas alertam sobre os cuidados necessários e dão dicas para enfrentar a baixa umidade do ar e o calor intenso

Rafael Secunho, da Agência Brasília | Edição: Renata Lu

Brasília, 8 de agosto de 2022 – O mês de agosto dá as boas-vindas no Distrito Federal e, ao paralelamente, os efeitos da seca já são sentidos pelo brasiliense. Episódio que se repete a cada ano. Umidificadores, protetores labiais e a garrafinha d’água são os acessórios mais usados nesta época de estiagem, que deve permanecer pelo menos até setembro na capital.

Beber água o dia inteiro é um cuidado básico contra a desidratação | Foto: Breno Esaki/Arquivo Agência Saúde

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o último registro de chuva no DF ocorreu em 17 de maio. Sendo assim, são mais de 85 dias sem pingar uma gota de água por aqui. A temperatura vem avançando na casa dos 30ºC, e a sensação de calor é grande. A umidade relativa do ar despenca. É necessário se proteger, principalmente, em uma época em que as doenças respiratórias aumentam, alerta a Secretaria de Saúde (SES).

“Os quadros de alergia se agravam com o excesso de poeira no DF. Sinusite, influenza, asma, por exemplo, se tornam bem mais frequentes” Ana Helena Germoglio, infectologista da Secretaria de Saúde

“A produção de muco pelo organismo diminui neste tempo seco, e ele funciona como uma barreira de proteção contra infecções respiratórias”, explica a infectologista da SES Ana Helena Germoglio. “Os quadros de alergia se agravam com o excesso de poeira no DF. Sinusite, influenza [gripe], asma, por exemplo, se tornam bem mais frequentes” , complementa Ana, lembrando de algumas das chamadas infecções das vias aéreas superiores (Ivas.)

A médica recomenda a vacinação como uma forma de prevenção a esses males. “Sugerimos sempre as vacinas contra a gripe, que são oferecidas na rede pública e, também, a da pneumonia, quando houver a recomendação”, pontua. “Além do que, beber água o dia inteiro é o básico contra a desidratação, antes mesmo de a sede se manifestar”, alerta. Ana Helena calcula que a pessoa deve beber em torno de 4 litros diários em tempos de ‘seca braba’.

Os profissionais de saúde aconselham evitar atividades esportivas ou exercícios de qualquer natureza entre 11h e 16h | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Alertas da Defesa Civil

Segundo a Defesa Civil do DF, são utilizadas três classificações padrões de cautela em relação à situação de baixa umidade do ar, criadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). São elas: situação de atenção (entre 20% e 30% por cinco dias seguidos), de alerta (entre 12% e 20% por três dias consecutivos) e de emergência (abaixo de 12% por dois dias em sequência). Tais alertas já são conhecidos pela população brasiliense, que costuma recebê-los entre os meses de julho e setembro, ano após ano.

Outra orientação importante repassada tanto pela Defesa Civil quanto por profissionais da saúde é evitar atividades esportivas ou exercícios de qualquer natureza entre as 11h e as 16h. “Este é considerado o período mais crítico do dia. O esforço físico pode levar a dores de cabeças intensas, sangramentos, etc.”, avalia o coordenador de Gestão de Desastres da Defesa Civil, coronel Ricardo Ulhoa.

 

Últimas Notícias