Fale com o Governo Ações em Destaques

31/10/23 às 11:00

Duas a cada três pessoas negras estão inseridas no mercado de trabalho

Boletim anual divulgado pelo IPEDF, com análise de dados de 2022, mostra que a taxa de desemprego total da população negra caiu, na comparação com 2021

Agência Brasília* I Edição: Débora Cronemberger

O Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apresentaram, na manhã desta terça-feira (31), o boletim anual População Negra e o Mercado de Trabalho no DF – 2022, elaborado em alusão ao Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado no Brasil em 20 de novembro.

O material que avalia a situação dos trabalhadores negros no Distrito Federal apontou que, em 2022, a População em Idade Ativa (PIA) era majoritariamente composta por pessoas negras (63,1%). Desse percentual, a cada três negros de 14 anos e mais, aproximadamente dois estavam inseridos no mercado de trabalho, espelhando uma taxa de participação de 66,1%, enquanto a taxa de participação dos não negros era de 61%.

O boletim foi elaborado em alusão ao Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado no Brasil em 20 de novembro

A força de trabalho do DF também era predominantemente negra (65%) em 2022, assim como na parcela inativa da população (59,8%), porém, em menor percentual que sua presença na PIA e no mercado de trabalho. A justificativa para a maior presença relativa dos negros na força de trabalho regional, mensurada pelas taxas de participação superiores, é a necessidade econômica de renda. No entanto, outros fatores também devem ser considerados. Na comparação com 2021, a participação negra na força de trabalho regional recuou em 1.5 ponto percentual; por outro lado, não houve alteração na presença não negra na População Economicamente Ativa (PEA).

O boletim Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) registrou 541 mil pessoas ocupadas no mês, volume superior ao observado em agosto. O resultado é graças ao acréscimo no nível de ocupação no setor de serviços

No período de 2022, a PEA negra contava com 16,7% de pessoas desempregadas, enquanto a taxa de desemprego da parcela não negra no mercado de trabalho era de 13,5%. Porém, essas taxas foram menores em relação às observadas em 2021, quando eram de 19,7% e 14,9%.

Das características da ocupação, a análise da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) mostra maior vulnerabilidade ocupacional por trabalhadores negros. De acordo com o levantamento, entre os ocupados na capital, a participação da população negra era superlativa no emprego doméstico, onde esse segmento ocupava mais de 80% dos postos de trabalho, percentual bastante acima da sua participação na ocupação total (64,2%). Na sequência, vêm dados sobre o trabalho autônomo (69,5%) e o assalariamento com carteira assinada (68%) e sem carteira assinada (66,8%) no setor privado.

A técnica e economista do Dieese Lucia Garcia explica que, apesar dos números, o resultado pode ser considerado positivo. “As desvantagens sociopolíticas enfrentadas pela população negra são funcionais do ponto de vista econômico, pois garantem que parte da sociedade trabalhe muito e se mantenha desvalorizada. Vencer essa realidade constitui um desafio nacional, e temos a tarefa de monitorar essa situação. No comparativo entre 2022 e 2021, o mercado de trabalho do DF apresentou melhoria para a população negra, que reduziu a presença no desemprego. Além disto, o rendimento da população negra ocupada cresceu. Os passos dados são ainda insuficientes, mas, sem dúvida, são muito positivos”, disse.

Pesquisa de Emprego e Desemprego

Na mesma divulgação, foram apresentados os resultados mensais da Pesquisa de Emprego e Desemprego. Segundo o levantamento, a taxa de desemprego total da Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) foi de 15,9%, 1,1 ponto percentual a menos que o observado em agosto (17%).

Com isso, a PMB registrou 541 mil pessoas ocupadas no mês, volume superior ao observado em agosto. O resultado se dá graças ao acréscimo no nível de ocupação no setor de serviços (4,2%, ou 13 mil), já que retraíram os contingentes no comércio e reparação (-3,5%, ou -4 mil) e na construção (-5,3%, ou -3 mil).

Já a taxa de desemprego total do DF ficou em 16,5%. Permaneceu relativamente estável a PEA (mais 2 mil pessoas no mercado de trabalho). O comportamento do contingente de ocupados decorreu da retração do número de postos de trabalho no setor de serviços e na indústria de transformação, tendo crescido na construção e praticamente não tendo variado no comércio e reparação.

Acesse, abaixo, a íntegra dos boletins.

→ População negra

PED-DF

→ PMB.

*Com informações do IPEDF

Últimas Notícias