Fale com o Governo Ações em Destaques

16/11/23 às 10:12, Atualizado em 16/11/23 às 12:55

#TBT: Do alto da Torre de TV, uma Brasília monumental

Conheça a história de 56 anos de um dos pontos emblemáticos da capital federal, inspirado no mais famoso cartão-postal de Paris

Thaís Miranda, da Agência Brasília | Edição: Chico Neto

Com localização estratégica, o visual é privilegiado: de um lado, as asas Sul e Norte milimetricamente projetadas pelos arquitetos Lucio Costa e Oscar Niemeyer; do outro, os monumentos que compõem o Eixo Monumental emoldurados pelo Lago Paranoá. A vista de 360º de Brasília é possível por meio do mirante da Torre de TV, a 75 metros de altura, o equivalente a um prédio de 25 andares.

Mergulho no tempo: em 1965, ainda na primeira infância da capital federal, o monumento começa a ser construído | Foto: Arquivo Público do DF

Atualmente com as estruturas novas e reformadas graças a um investimento de cerca de R$ 40 milhões do Governo do Distrito Federal (GDF), a Torre de TV já soma 56 anos de história desde a sua criação, que teve como inspiração a Torre Eiffel, de Paris, na França.

Inaugurada em 1967, a Torre de TV é uma das estruturas mais altas do Brasil, com 230 metros de altura, e carrega uma série de histórias e lembranças que marcaram os já movimentados anos de uma ainda jovem capital. Criada com objetivo de receber antenas de emissoras de rádio e televisão, a torre foi se tornando ponto de encontro. É uma das únicas estruturas originais emblemáticas da capital que não vieram do traço de Oscar Niemeyer.

Espaço afetivo

“As pessoas iam para a Torre de TV para comer o sarapatel, o vatapá, o tacacá. Até as autoridades políticas iam degustar a gastronomia diversificada para matar a vontade da culinária do estado de origem” Maria José Carvalho, professora e guia turística

“A ideia de Lucio Costa era criar um espaço com uma importância mais afetiva e atrativa visual para a população”, explica a professora Maria José Carvalho, guia turística no DF há 23 anos. “O pitoresco em toda a sua criação foi a feirinha. Embaixo da torre havia uma feira, que não era permanente, mas era dividida em áreas onde existiam pratos típicos das regiões do Brasil. O local era uma espécie de saudade que aquela pessoa que veio morar em Brasília depois da construção da cidade sentia de seu local de origem.”

Vista da torre é privilegiada, descortinando o desenho diferenciado do Eixo Monumental | Foto: Geovana Albuquerque/Agência Brasília

O espaço, com o passar do tempo, aprimorou essa vocação de reunir gente que, vinda de todos os cantos do país, chegou em busca de melhores condições de vida. “As pessoas iam para a Torre de TV para comer o sarapatel, o vatapá, o tacacá”, lembra a guia. “Ali, naquele local, todos se encontravam e confraternizaram. Eu mesma trazia meus filhos para experimentarem as comidas do meu estado, o Pará. Até as autoridades políticas iam degustar a gastronomia diversificada para matar a vontade da culinária do estado de origem”.

600 Total de boxes de artesanato disponíveis na feira permanente da Torre de TV

Em abril de 2011, a feirinha recebeu o seu devido reconhecimento e tornou-se permanente. Hoje, o espaço reúne 600 boxes, com artesãos locais que expõem uma variedade de produtos do Cerrado, incluindo esculturas, almofadas, flores, artesanato em geral, quadros, souvenirs e estofados.

“Hoje ainda há uma praça de alimentação com diversas comidas típicas, mas não tão fortes como aquela época”, aponta Maria José. “Atualmente, existem muitas atividades culturais no espaço da Feira da Torre. A nossa maior referência em outros estados são os nossos artesãos que fazem as flores secas típicas do Cerrado. Temos também quem faça mandalas, por exemplo. Como estamos na capital federal, é ótimo termos produtos que representem todas as regiões do Brasil.”

Além da Feira da Torre, a fonte luminosa e o Jardim Burle Marx — que recentemente recebeu investimentos de R$ 13 milhões para reforma — completam o complexo turístico de quem passa pela Torre de TV. A expectativa é receber cerca de 12 mil visitantes por ano.

Brasília, o destino 

O paranaense Denis Willian veio a Brasília a trabalho e aproveitou para conhecer a torre: “A vista é muito setorizada, lembra bastante o Palácio de Versailles, com o jardim todo separado. Brasília é o paraíso da arquitetura!”

A capital do país tem se tornado cada vez mais escolhida pelos turistas nacionais e internacionais. O produtor audiovisual Denis Willian, 31, veio de Maringá (PR) a trabalho e aproveitou um dia de folga para conhecer os principais pontos turísticos de Brasília.

“É uma cidade bem diferente”, pontua. “Eu gosto muito de arquitetura e fiquei encantado com todo o desenho da cidade. A vista da Torre de TV é muito setorizada, lembra bastante o Palácio de Versailles [na França], com o jardim todo separado. Brasília é o paraíso da arquitetura!”

O pequeno Benício Pama, 7, é brasiliense, mas, ainda bebê, mudou-se para outro estado após o pai ter sido transferido de trabalho. De volta a Brasília, o menino comemora: “Eu via umas imagens no Google e queria muito vir para cá e ver se eu me lembrava de alguma coisa. É muito legal. Tem vários pontos turísticos. Estou muito empolgado para ir também ao parque de diversões [referindo-se ao Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek]”.

Movimento turístico

De acordo com dados divulgados pelo Ministério do Turismo, de janeiro a setembro deste ano, chegaram a Brasília 35.418 turistas de fora do país, sendo 12.771 da América do Norte (36,06%) e 10.449 da Europa (29,5%). Este número é 89,76% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando houve um total de 18.665 turistas internacionais.

Para atender esse público que não para de crescer, o GDF investe cada vez mais no turismo e nas unidades do Centro de Atendimento ao Turista (CAT), que é a porta de entrada para receber e dar informações sobre os pontos turísticos da cidade.

Somente na região central da capital federal existem cinco pontos de apoio, dos quais quatro são fixos – Aeroporto JK, Esplanada dos Ministérios, Rodoviária Interestadual e Superquadra 308 da Asa Sul – e um móvel, na Torre de TV. O da torre funciona de sexta a domingo, bem como em feriados.

A 75 metros de altura, turistas registram as mais belas imagens da região central da cidade

Nos CATs, os visitantes encontram todo o apoio de que precisam e têm acesso a informações sobre os produtos e serviços turísticos no DF e Entorno, como mapas, guias turísticos e materiais promocionais, distribuídos individualmente. Todos os pontos contam com atendentes bilíngues, e o material divulgado para o turista também é traduzido para o inglês.

Fiscalização 

A secretaria DF Legal intensificou nas últimas semanas a fiscalização contra o comércio ambulante irregular na Torre de TV. O trabalho, neste primeiro momento, é de orientação para manter a acessibilidade das calçadas e a entrada central do elevador da torre, na Praça das Fontes e na feira. Tendas e reboques não são permitidos. No caso de insistência da irregularidade, as equipes da pasta fazem a apreensão dos materiais.

15/11/2023 - #TBT: Do alto da Torre de TV, uma Brasília monumental

Últimas Notícias